Água, calor e cálculos renais

0

O calor intenso do verão, o aumento da transpiração com o exercício físico e a baixa ingestão de líquidos são considerados dos principais responsáveis pelo aumento do risco de formação de cálculos renais.
Artigo da responsabilidade do Dr. Frederico Branco, médico especialista em Urologia

“Pedra nos rins” é um dos problemas mais comuns que levam o doente a procurar o urologista. Cerca de 15 a 20% da população mundial apresenta cálculos renais. Contudo, a grande maioria dos doentes consegue eliminá-los espontaneamente com a urina.

O rim é um órgão que funciona, basicamente, como um filtro do nosso sangue, tendo como função principal a de eliminar as impurezas do organismo.

Fazer algumas alterações na dieta e beber água regularmente, assim como observar a cor da urina, são medidas simples que podem evitar ou alertar para o problema. Manter uma hidratação ideal pode evitar a formação de “pedras no rim”.

Uma forma simples de monitorizar a hidratação ideal do nosso organismo é observar a cor da urina. Quanto mais transparente ou clara estiver, melhor. Se a urina estiver mais escura ou concentrada, pode ser sinal que o corpo precisa de mais líquidos para manter-se hidratado e assim evitar a formação de cálculos renais.

PRESERVAR A SAÚDE DOS RINS

A população deve adotar medidas para cuidar e preservar a saúde dos rins. A dieta considerada ideal inclui, essencialmente, o aumento de ingestão de líquidos e sumos cítricos, associado à diminuição do consumo de sal nos alimentos.

A quantidade ideal de água varia de pessoa para pessoa. Em regiões expostas a climas mais quentes, o ideal será o consumo de aproximadamente 2 litros de água por dia.

As refeições diárias devem ser sempre equilibradas, conter frutas e legumes e evitar os fritos e as carnes vermelhas. Especial cuidado deve ser tido com o consumo de marisco, uma vez que estes alimentos apresentam um alto teor de ácido úrico, podendo este fator levar à formação de cálculos.

Não menos importante – e ao contrário do que muitas pessoas pensam –, uma dieta pobre em cálcio pode aumentar o risco de formação de cálculos.

Em resumo, uma pessoa deverá levar uma vida normal, com uma boa ingestão de água e uma dieta equilibrada, usando sempre o bom senso.

SINTOMAS DE CÓLICA RENAL

A maioria dos pequenos cálculos não apresenta quaisquer sintomas. A chamada cólica renal surge apenas quando existe alguma obstrução ao fluxo de urina, na maioria dos casos em situações de obstrução do uréter (o canal que faz a ligação entre o rim e a bexiga).

A dor intensa da cólica renal, muitas vezes comparada à dor do parto, é frequentemente acompanhada de náuseas e vómitos, podendo, em algumas situações, ser confundida com outras doenças abdominais. Uma dor que não cede com a medicação, febre e arrepios de frio ou diminuição do volume de urina são os principais sinais de alarme para a necessidade de tratamento urgente.

Leia o artigo completo na edição de junho 2019 (nº 295)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA