“Se já viu, tem de ir ver”: campanha de sensibilização sobre doenças da retina

A propósito do Dia Mundial da Retina, que se assinalou a 29 de setembro, o Grupo de Estudos da Retina de Portugal (GER) lança a campanha de sensibilização que incentiva à ação “Se já viu, tem de ir ver” e tem como mote “A Retina não pode esperar”. O objetivo passa por aumentar o conhecimento da população sobre a Degenerescência Macular da Idade (DMI) e a Retinopatia Diabética, alertando para a importância de estar atento aos sintomas mais frequentes, de forma a que o diagnóstico seja realizado de forma precoce.

Até outubro, mês em que se assinala o Dia Mundial da Visão (dia 14), a campanha vai contar com publicações informativas nas Redes Sociais do GER (Facebook e Instagram), Mupis com imagens de sensibilização, em várias estações de comboios por todo o país, e um Vídeo de sensibilização nas estações de metro do Porto. O mesmo vídeo vai também ser transmitido em diversos centros de Saúde em Lisboa e no Porto, juntamente com a distribuição de cartazes e folhetos informativos sobre as doenças da retina.

“A visão desempenha um papel crítico em todas as fases e atividades da vida, sendo crucial procurar ajuda assim que são detetadas as primeiras alterações. Com esta iniciativa o GER pretende sensibilizar a população para os sintomas mais comuns da DMI e retinopatia diabética de forma a facilitar o diagnóstico e tratamento precoces. Uma população bem informada é uma população preparada”, explica Ângela Carneiro, Presidente do GER e oftalmologista, especialista em doenças da retina.

Globalmente, pelo menos 2,2 mil milhões de pessoas têm uma deficiência visual e, dessas, pelo menos metade têm uma deficiência que poderia ter sido evitada ou que não recebeu assistência de qualquer tipo1.

A DMI é uma doença ocular causada por danos na parte central da retina, a mácula, que é responsável pela visão fina ou de pormenor, e cujo risco de desenvolvimento aumenta com a idade. Como consequência, os doentes são afetados por aparecimento de manchas fixas no seu campo visual ou por distorção das imagens.

A nível mundial, é considerada a terceira principal causa de cegueira no mundo e a primeira nos países desenvolvidos, considerando a população com idade igual ou superior a 55 anos. Afeta entre 10 e 13% das pessoas acima dos 65 anos, estimando-se que a sua prevalência duplique até 20302. Em Portugal, estima-se que afete mais de 350 mil pessoas3.

A DMI causa danos irreversíveis, mas existem alguns comportamentos que podem ajudar na prevenção e retardar a progressão da doença, como o tabagismo, que é o principal fator de risco modificável. Além disto, o diagnóstico precoce é um dos fatores fundamentais no tratamento da DMI, uma vez que pode prevenir a evolução da doença para fases mais graves.

Já a retinopatia diabética, causada pela diabetes mellitus, caracteriza-se pela existência de danos nos vasos sanguíneos da retina, estimando-se que esta afete cerca de 150 milhões de pessoas em todo o mundo. A perda de visão ocorre frequentemente devido ao edema na parte central da retina.

A maioria dos casos de retinopatia diabética são evitáveis, sendo a deteção precoce crucial. Devido a isto, após o diagnóstico da diabetes, são importantes a realização de exames oftalmológicos regulares e o controlo dos principais fatores de risco (hiperglicemia e hipertensão).

Apelando à ação por parte dos atuais ou potenciais doentes e seus cuidadores, a campanha “Se já viu, tem de ir ver” pretende incentivar quem já viu ou conhece alguém que já tenha visto algum destes sintomas, que afetam a visão, a procurar ajuda junto de um médico oftalmologista, especialista em doenças da retina. Alerta ainda para o facto de o tratamento não poder ser adiado, uma vez que as lesões provocadas na retina são irreversíveis, podendo conduzir a situações de cegueira.

Para mais informação, consulte a página do Grupo de Estudos da Retina: https://www.ger-portugal.com/index.

A campanha “Se já viu, tem de ir ver” conta com o apoio dos laboratórios Bayer, Novartis, Roche, Allergan e Alimera Sciences.

Referências:

  1. Organização Mundial de Saúde (2021) «World Report on Vision». Disponível em: https://www.iapb.org/learn/resources/the-world-report-on-vision/
  2. Teixeira, C. C., Furtado, M. J., Carneiro, A. e Silva, R. (2018) «Degenerescência Macular da Idade (DMI) – Guidelines de Tratamento 2018», Revista Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, 42(5). doi: 10.48560/rspo.14162. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/index.php/oftalmologia/article/view/14162.
  3. Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (2014) «Degenerescência Macular da Idade». Disponível em: https://spoftalmologia.pt/wp-content/uploads/2014/03/degenerescencia_macular_da_idade.pdf

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here