Cuidar da forma como lidamos com os múltiplos sistemas digitais é um princípio preventivo essencial na saúde ocular.

Artigo da responsabilidade do Prof. Dr. Eugénio Leite. Oftalmologista. Diretor das Clínicas Leite

 

Há cerca de três a quatro décadas, iniciou-se a transformação digital, quer profissional quer lúdica e não somente dos jovens, fortemente acelerada pela mudança dos hábitos laborais impostos recentemente pela pandemia, assim como pelo aumento dos hábitos lúdicos, videojogos, nomeadamente dos adultos. E, como previsível, surgiriam as manifestações sintomatológicas e com as consequentes necessidades de se tomarem comportamentos compensatórios ergonómicos e clínicos.

AUMENTO DAS MANIFESTAÇÕES OCULARES

Hoje, admite-se que, em termos médios, cerca de 70 a 80% da população está mais de três a quatro horas em frente a um qualquer sistema digital.

Assim, vários estudos realizados em Espanha, Estados Unidos, Brasil e Portugal, constataram um aumento significativo de manifestações oculares e do foro musculoesquelético em utilizadores com maior exposição aos diferentes sistemas digitais. Pelo que a incidência da astenopia digital e da síndrome de olho seco tem tido um notável aumento, com todo um conjunto de manifestações perturbadoras da rotina diária e das capacidades pessoais.

A astenopia digital é caracterizada por um desconforto visual decorrente do uso de dispositivos digitais. Isso deve-se ao elevado esforço da região ocular, resultado do brilho, disfunção de acomodação, disparidade de fixação, secura e fadiga. Contudo, neste tipo de cenário, associado à astenopia digital, surge a síndrome de olho seco, importante fator agravante para os utilizadores de sistemas digitais. Mas não se fica só pelos olhos, também o sistema musculoesquelético apresenta manifestações.

SINTOMAS OCULARES E MUSCULOESQUELÉTICOS

Os sintomas oculares mais frequentes são o lacrimejo, a vista cansada ou visão turva, por vezes mesmo diplopia (dupla visão), ardor ou vermelhidão dos olhos. Já com relação aos sintomas musculoesqueléticos, saliente-se a possibilidade de torcicolo, fadiga generalizada, cefaleia e lombalgia.

Neste processo, estão em causa fenómenos de acomodação (capacidade de focar a diferentes distâncias) e vergência (convergência para focar um ponto próximo, torsão dos olhos para dentro de forma simétrica), que conjuntamente com a miose (diminuição do diâmetro da pupila) são uma tríade essencial no trabalho de perto.

SUGESTÕES PARA A SAÚDE OCULAR

Assim, e sem diferenciar o tipo de esforço que está em causa – telemóvel, tablet, monitor, livro – ou as condições ambientais de trabalho ou lúdicas, há algumas sugestões para obviar a que estas manifestações oculares e musculoesqueléticas possam ser motivo perturbador das rotinas diárias:

MONITOR E MEIO AMBIENTE – A resolução do monitor, o contraste do mesmo, assim como a iluminação e a humidade do ambiente de trabalho ou lúdico devem ser ajustados para um maior conforto. Uma opção útil é o acerto das condições do monitor ou uso de filtros à frente do ecrã, com redução da reflexão da luz ambiente na tela ou óculos com filtros adequados e melhoria o contraste da imagem, facilitando assim a focagem.

POSIÇÃO ERGONÓMICA DO UTILIZADOR – Distância e posicionamento do monitor, dependente da dimensão do mesmo e a sua posição em relação ao plano dos olhos – ligeiramente inferior do seu centro em relação ao plano ocular – são fatores importantes a considerar. Aqui, a melhoria das manifestações, para além de se refletirem a nível ocular, também se farão sentir no plano musculoesquelético.

SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO OCULAR OU FILME LACRIMAL – A aplicação periódica na superfície ocular de uma lágrima artificial adquiriu uma importância significativa, pela sua capacidade de contribuir para reduzir os sintomas oculares. O controlo das condições do meio ambiente de trabalho – temperatura, luminosidade e humidade – são fatores influentes na perturbação do filme lacrimal.

DURAÇÃO DO PERÍODO DE TRABALHO – Pausas intercalares de curta e longa duração devem ser ponderadas e efetuadas de forma regular.

Leia o artigo completo na edição de maio 2024 (nº 349)