Compreender os ritmos sexuais

0

Compreender os seus ritmos sexuais e a maneira como podem flutuar durante o ciclo menstrual, não só a ajudará a perceber melhor o funcionamento do seu corpo, como a tornará mais consciente do que gosta e das alturas em que o aprecia.

 

Durante o período menstrual, muitas mulheres têm dificuldade em suportar a sua acentuada sexualidade. “Fico excitada com muito mais facilidade”, conta a Patrícia, “e não só quando me tocam; dou comigo assim, ao longo de todo o dia, sem contribuição alguma do meu namorado”. Patrícia afirma que começa a sentir-se “tensa e sexy alguns dias antes e, no fim do período, não penso em mais nada”.

As mulheres confidenciam, por vezes, como ficam admiradas por a sua libido se manifestar mais em plena menstruação. “Parece irracional”, afirma a Paula, “que eu esteja interessada em sexo naquela altura”. Ana Maria comenta que “parece não haver qualquer lógica biológica por trás disto”. Estamos tão condicionadas para dar à excitação uma justificação reprodutora que certas mulheres nem sequer reparam que, em geral, se encontram excitadas nesse momento, até pensarem no assunto, e só quando lhes perguntam pelos seus ritmos sexuais é que percebem que existe esse padrão.

Peso dos tabus

Quando o fluxo se mostra invulgarmente abundante, a mulher não é estimulada com tanta facilidade, talvez porque se sente incomodada e preocupada. Mas até aquelas que têm uma perda de sangue considerável podem apreciar mais as relações sexuais no princípio e fim da menstruação, talvez por existir uma lubrificação natural, mesmo antes de uma estimulação localizada.

Um elemento que contribui para a excitação sexual em certas mulheres é acharem que não deveriam praticar o sexo durante o período menstrual: “Eu quero-o porque sei que não o vou ter”, declara a Susana. Para muitas, ainda existe uma proibição, que tem todo o peso de um tabu, quanto à cópula durante o período.

Outras limitam-se a dizer que é “demasiado sujo” ou que “não parece correto”. Muitas dizem que os parceiros são afastados pela menstruação e ficam “repugnados” ou “nauseados” relativamente às relações sexuais.

Woman On Sofa Having StomachacheAbstinência forçada

Isabel afirma que, embora se sinta “muito excitada ao longo de todo o período”, o marido “sempre sentiu muito nojo em relação ao sangue”, portanto ela masturba-se nessa altura.

Muitos casais consideram o sexo como sinónimo de penetração, por isso, a não haver esta, põem-se de lado todos os contados sexuais durante o período menstrual.

Quando uma mulher se sente especialmente sexy durante a menstruação, mas acha que não deve ter relações sexuais, a tendência é para a tensão se acumular e, desta forma, se excitar mais facilmente na semana a seguir. “Fico realmente fora de mim, logo a seguir ao período. É o que faz uns dias de abstinência forçada”, declara a Teresa. “Não consigo apreciar o sexo nessa altura, porque tenho medo de sujar tudo. A ideia de passar sem ele por quatro ou cinco dias é uma espécie de tortura”, acrescenta.

Tensão pré-menstrual

Para algumas mulheres, dois ou três dias antes do período, uma acentuada tensão pré-menstrual enfraquece a libido e, muitas vezes, faz com que não suportem que lhes toquem durante essa semana. Célia afirma que fica “terrivelmente casmurra e contestatária, tenho dores de cabeça, sinto-me inchada e, se houver cópula, costuma ser muito dolorosa”. Algumas detestam ter o abdómen dilatado ou os seios inchados e doridos. Outras acham apenas que é difícil descontraírem-se de forma a poderem gostar de fazer amor, durante esses dias.

Tomar vitamina B6 ajuda e é capaz de fazer uma diferença abissal, não só em relação ao bem-estar generalizado, como também à sua capacidade de se excitar.

Quando se trata de uma tensão pré-menstrual moderada, esta tem um efeito oposto: a sensualidade aumenta, bem como a sensibilidade epidérmica, nos seios em especial, que reagem ao toque mais leve. Há mulheres que têm, igualmente, mais sensações no fundo da vagina. No entanto, o parceiro deve adaptar as suas técnicas sexuais e reagir à maior necessidade de ternura da mulher.

Entre mulheres

O impulso do pénis, na semana anterior à menstruação ou durante esta, é capaz de ser doloroso. O colo do útero pode estar especialmente sensível e certas mulheres, como a Clara, dizem que, apesar de haver excitação sexual da sua parte, “querem levar as coisas com mais delicadeza”.

É frequente partirmos do princípio que as mulheres se compreendem umas às outras e que nada disto se aplica aos casais de lésbicas. Mas não é, obrigatoriamente, assim. As mulheres também precisam de ser sensíveis aos ritmos ováricos umas das outras e de perceber que a sua parceira nem sempre quererá o mesmo tipo ou grau de estimulação. A fronteira é muito estreita entre sentir-se irritável e responder mal aos estímulos e reagir satisfatoriamente à estimulação sexual.

Love couple in bedSegundo pico

O segundo pico de excitação – cerca de 16 dias antes do início do próximo período – é quando, geralmente, se dá a ovulação e quando a fecundidade é maior. É vulgar o desejo sexual ir aumentando até ao dia da ovulação e, depois, ir diminuindo aos poucos. Certas mulheres que não se sentem excitadas durante a menstruação podem apenas passar por este único pico.

Acontece o mesmo quando a mulher está ansiosa por ter um filho e a ideia de conceber confere um significado especial ao ato sexual. Nalgumas, isso significa que a libido fica muito enfraquecida nas outras alturas do mês: “Só estou interessada em fazer amor durante esses poucos dias. Não o desejo senão durante o meu período fértil e então não penso em mais nada”, conta a Manuela. Outra mulher, a Graça, afirma: “Tentei desesperadamente engravidar durante um ano e arrastava literalmente o meu marido para a cama, na esperança de ter um filho. Sentia-me sempre em baixo na semana do período, porque sabia que era outro mês perdido”. Não é de admirar que uma mulher que deseje muito um filho não se sinta excitada durante a menstruação, que é como uma perda, todas as vezes.

Entender os ritmos próprios

Nem todas as mulheres passam por essas flutuações em alturas diferentes do mês. Se está a tornar a pílula, talvez nem repare em qualquer diferença na libido, embora algumas mulheres afirmem que se sentem sensuais durante os dias em que não a tomam.

Uma mulher que esteja a amamentar pode não ter ovulação nem menstruação e, como tal, não experimentar variações. Mesmo quando a menstruação surge novamente, talvez sinta algumas alterações na excitação sexual durante o ciclo, mas muitas dizem que prevalece um acentuado enfraquecimento da libido, enquanto dura a lactação.

Passar a compreender os seus ritmos sexuais e a maneira como podem flutuar durante o ciclo menstrual, não só a ajudará a perceber melhor o funcionamento do seu corpo, como a tornará mais consciente do que gosta e das alturas em que o aprecia.

Embora algumas mulheres sintam sempre o mesmo nível de excitação – ou quase nunca o sintam –, a maioria passa por alterações de humor. Atravessar o ciclo menstrual assemelha-se a trepar colinas de desejo ou descer a vales calmos e tranquilos. Há alturas em que apreciamos uma estimulação intensa e outras em que apenas basta um leve toque. Quando percebermos tais variações, poderemos transmiti-las ao nosso parceiro. Desta maneira, a compreensão aprofunda-se e o relacionamento progride.

 

  

Sexy girl are posing in bedDestaque

Masturbação e autoconhecimento

Quase todas as mulheres já se masturbaram, pelo menos uma vez, concedendo a si mesmas o prazer sexual, por meio do toque ou da movimentação do corpo de uma determinada maneira. E embora algumas não tivessem conseguido atingir o orgasmo assim, a maioria pode lá chegar, porque sabe do que gosta.

Através do autoconhecimento adquirido com a masturbação, muitas mulheres aprendem a guiar um parceiro de forma a que ele lhes proporcione o orgasmo.

Se explorarmos os movimentos que fazemos quando nos masturbamos, podemos perceber o que havemos de sugerir ao nosso parceiro, durante o ato sexual. Isto aplica-se especialmente aquelas mulheres que atingem o orgasmo quando se masturbam, mas raramente quando fazer amor.

Mas a masturbação não tem de ser justificada pela sua utilidade num relacionamento com outrem. Mesmo que, ao fim e ao cabo, não sirva para nada num relacionamento sexual, a mulher tem o direito de se masturbar e isso pode ajudá-Ia a compreender melhor o seu próprio corpo e a compenetrar-se da sua identidade sexual.

Artigo publicado na edição de novembro/15 (nº 255)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA