Como vai a sua flexibilidade?

 

Se sente frequentemente dores de costas, os músculos tensos e não consegue relaxar, alongar parece ser uma boa opção. Neste artigo, descobrirá tudo sobre a flexibilidade e verá que em apenas 5 minutos poderá ter um corpo menos tenso e flexível.

 

Artigo da responsabilidade da Prof.ª Ana Andrade. Doutoranda em Atividade Física e Saúde, pela Universidade Lusófona de Lisboa (ULHT). Mestre em Exercício e Bem-Estar, ULHT Lisboa. Personal Trainer e Group Trainer no Holmes Place Parque das Nações.

 

Na azáfama do dia a dia, o tempo parece sempre ser o pior dos inimigos quando toca a relaxar. De certeza que conhece os benefícios de alongar, já tempo para os pôr em prática nem tanto. E se lhe disséssemos que bastam apenas 5 minutos para se sentir mais relaxado? É verdade: uma simples pausa durante o trabalho, ao acordar ou até no final do dia, são suficientes para promover uma sensação de bem-estar.

Antes de conhecer os exercícios que selecionámos para si, é importante perceber e distinguir os conceitos de alongamento e flexibilidade. Comummente confundidos como sinónimos, quando falamos em alongamentos não falamos em flexibilidade. Porquê? Porque o desenvolvimento da flexibilidade realiza-se por intermédio de técnicas de alongamento. Confuso?

 FLEXIBILIDADE

Quando vamos à origem da palavra “flexibilidade”, ao seu significado etimológico, este prende-se com o ato de se dobrar ou de se curvar. A flexibilidade é uma qualidade física, como a força, a velocidade ou a agilidade. Ao apresentarmos segmentos rígidos que se movem ao redor de articulações, o conceito de flexibilidade é definido como a amplitude articular máxima obtida em uma ou mais articulações.

ALONGAMENTOS

Quando vamos ao significado etimológico da palavra “alongamento”, este define-se como o ato de estender, prolongar, aumentar a distância ou o comprimento. É o aumento da distância entre dois pontos de um determinado material. No contexto de atividade física, o alongamento passa por um aumento do comprimento dos tecidos implícitos no ato de alongar, em particular das unidades musculotendinosas. O conceito de alongamento implica que ocorra uma deformabilidade dos tecidos alongados.

BENEFÍCIOS DE SER MAIS FLEXÍVEL

A idade, o género, ser fisicamente ativo, entre outros, são fatores que influenciam a flexibilidade. E se pensa que a flexibilidade é apenas para bailarinos ou contorcionistas, desengane-se, pois, esta qualidade física é um dos fatores primordiais no aperfeiçoamento motor e no desenvolvimento da consciência corporal.

Ao realizar exercícios de flexibilidade com frequência, irá sentir menos dores e rigidez muscular, menos stress, estará a prevenir lesões, a melhorar o equilíbrio e a estabilidade postural e a promover uma sensação de bem-estar.

POR ONDE COMEÇAR?

É importante realizar treino de flexibilidade 2 a 3 vezes por semana, sendo os exercícios diários de flexibilidade mais eficazes. Manter um único exercício de flexibilidade por 10 a 30 segundos até o ponto de rigidez ou leve desconforto é o mais eficaz.

Os adultos mais velhos podem obter mais benefícios mantendo o alongamento por 20 a 60 segundos. Uma contração voluntária máxima de 20% a 75%, mantida por 3 a 6 segundos, seguida por um alongamento assistido de 10 a 30 segundos é recomendada para técnicas de Facilitação Neuromuscular Propriocetiva (FNP), mas para isso é necessário recorrer a um profissional de exercício qualificado, se desejar experimentar.

Utilize os alongamentos como uma arma antisstress e um aliado do relaxamento e da promoção de bem-estar. Em apenas 5 minutos, pode fazer uma pausa e sentir-se mais relaxado, dando sempre prioridade aos músculos do pescoço, costas e zona lombar.

Leia o artigo completo na edição de novembro 2021 (nº 321)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here