Consultório de Psicologia, pela Dra. Cláudia Madeira Pereira

0

Neurociencias 2autorAs respostas às suas dúvidas esclarecidas pela Dra. Cláudia Madeira Pereira, psicóloga clínica e da saúde; www.claudiamadeirapereira.com

O Consultório de Psicologia consiste num espaço que a revista Saúde e Bem-Estar reservou para o esclarecimento das suas dúvidas e/ou questões, pela Psicóloga Clínica e da Saúde Dra. Cláudia Madeira Pereira. Tome nota de que este espaço não pode, nem pretende, substituir a psicoterapia feita pessoalmente em contexto de consulta, tendo apenas como objetivo fornecer uma orientação psicológica através da resposta a perguntas ou dúvidas do leitor. Nos casos em que as questões remetam para a necessidade de um diagnóstico, avaliação psicológica ou intervenção psicoterapêutica, será comunicada essa necessidade ao leitor. Todos os dados pessoais serão mantidos confidenciais.

NATAL COM OS PAIS SEPARADOS

“Dra. Cláudia, tenho dois filhos menores (…) eu e o pai estamos divorciados e todos os anos é uma guerra nesta altura para decidirmos com quem é que as crianças passam o Natal e a passagem do ano (…) Há alguma forma de resolver esta situação, sem termos que passar por esta guerra todos os anos?”

Cara leitora, não existe uma fórmula absoluta que se aplique nestas situações, visto que cada família tem as suas particularidades. Não obstante, os pais devem evitar os conflitos e procurar tomar decisões, considerando as questões que julguem necessárias para proporcionar um Natal feliz aos seus filhos (por exemplo, os dias e/ou horas com o pai e a mãe, as refeições, os telefonemas, as prendas, etc.). Alguns pais decidem que os filhos passam o Natal e/ou a passagem de ano alternadamente, um ano com a mãe e o seguinte com o pai; outros optam por se reunir todos os anos para celebrar o Natal em conjunto com os filhos… A minha sugestão é que os pais procurem tomar decisões de forma pacífica, considerando o melhor para os seus filhos e o que se adequa melhor ao tipo de relacionamento que os pais mantêm entre si.

Leia o artigo completo na Edição de Dezembro 2015 (nº 256)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA