Imperfeições da silhueta: acabe com elas sem piedade!

0

Gordura localizada, celulite, flacidez, estrias. Não há mulher real que não seja afetada, pelo menos, por um destes males. Com o verão em contagem decrescente, está na hora de contra-atacar os maiores adversários da silhueta com as técnicas mais avançadas, os cremes mais eficazes e os hábitos mais saudáveis.

 

A perfeição não existe. Mesmo que assim não fosse, tão-pouco seria saudável correr constantemente atrás dela. Existem, porém, problemas estéticos que deixam a autoestima nas ruas da amargura.

Neste artigo, escrutinamos as quatro grandes imperfeições do corpo feminino, livres de mitos ou meias-verdades. Afinal, a celulite pode ou não ser eliminada? Fazer cem abdominais por dia acaba mesmo com a barriguinha? E as estrias serão mesmo uma sentença para toda a vida? Além das respostas a estas e outras questões, revelamos- lhe ainda quais os tratamentos em que vale a pena investir tempo e dinheiro.

O que não irá encontrar nas próximas páginas são promessas milagrosas, porque a maioria destes problemas tem raízes profundas, tanto na genética como no estilo de vida.

Investir numa vida saudável é uma das melhores formas de preservar a beleza, mas quando ser saudável não chega para alimentar a confiança é tempo de apelar ao potencial da estética e às soluções mais eficazes.

 

 

Gordura localizada

MAIS DO QUE VESTIR UM 36 OU UM 38, O QUE REALMENTE INCOMODA AS MULHERES SÃO AS GORDURINHAS INDISCRETAS QUE SE APODERAM DA BARRIGA, COXAS E COSTAS. PARA CONTRARIAR ESTE PROBLEMA, OS TRATAMENTOS ESTÉTICOS SÃO UMA PRECIOSA AJUDA.

As mulheres reais têm curvas e a elas se deve grande parte da feminilidade. O problema começa quando estas se instalam nos sítios errados…

Ora vejamos: o peso está ótimo e você até se sente bem no seu corpo, o problema é a barriguinha, o “pneuzinho” junto à alça do soutien, o excesso de gordura nas ancas…

É nestas e noutras zonas problemáticas que o tecido adiposo se acumula e os centímetros crescem, sem que, muitas vezes, haja uma explicação lógica.

Tudo porque estamos perante um tipo de gordura complicado, que tem origens difíceis de contrariar.

CULPA DA GENÉTICA E NÃO SÓ

A gordura localizada é despoletada pelo aumento de volume dos adipócitos – células gordas – que, por sua vez, é desencadeado por fatores de ordem genética, hormonal e, claro, relacionados com o estilo de vida.

  • GENÉTICA – É a grande vilã e a maior responsável pelo local onde a gordura se instala e pela facilidade com que esta se apodera dos contornos do seu corpo. Se a sua mãe tem tendência para acumular gordura na zona das ancas, o mais provável é que lhe aconteça o mesmo a si. Isto porque são os genes que determinam a capacidade das células queimarem ou absorverem gordura.
  • HORMONAS – Uma alteração deste género nas células gordas desencadeia um processo de acumulação em pontos específicos do nosso corpo.
  • AUMENTO DE PESO – Quando os quilos a mais são expressivos, interferem no “crescimento” de determinados locais, em particular se já existir uma predisposição genética.
  • SEDENTARISMO – Quando não exercitamos o corpo, o metabolismo desacelera e o excesso de calorias acaba armazenado nos tais locais estratégicos.

INTERVENÇÕES ESTÉTICAS

A verdade é que o aumento do tecido adiposo não pode ser contrariado unicamente com alimentação equilibrada e exercício físico. Como não tem a ver exclusivamente com a perda de peso, o emagrecimento não o elimina e só a ginástica localizada consegue afetá-lo a longo prazo, com resultados visíveis ao fim de muitos meses. Assim sendo, a gordura localizada exige um tratamento à sua medida e, por isso, uma das melhores opções passa por recorrer às intervenções estéticas.

A tecnologia tem evoluído enormemente neste sentido e existem tratamentos que permitem obter resultados bastante eficazes (ver destaque).

De realçar que, na maioria das vezes, a adiposidade acumulada faz-se acompanhar por celulite, razão pela qual a esmagadora maioria dos tratamentos profissionais atuam sobre estes dois males estéticos de forma simultânea.

Mas atenção: milagres não existem. Antes, durante e depois de qualquer tipo de tratamento, é fundamental manter um estilo de vida saudável. Caso contrário, tudo voltará a ser como  antes.

Leia o dossier completo na edição de junho 2019 (nº 295)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA