Chantagem sexual: não siga esse caminho

0

Sexo é entrega, comunicação, partilha. Nunca castigo, prémio ou refúgio. Quando utilizado como moeda de troca, transforma-se num perigoso e cruel instrumento ao serviço das frustrações. A chantagem sexual é sempre um erro, por mais tentadora que seja. No final, só há uma vítima: a sua autoestima.

 

A frase é frequentemente feminina e, na maioria das vezes, proferida em tom de brincadeira: “mais logo, em casa, conversamos…”. Aqui fala-se de tudo, menos de conversa. O verdadeiro significado é intuitivo: “mais logo, não há sexo para ninguém!”.

O problema não é brincar, é concretizar a ameaça. Quando assim é, o sexo deixa de ser um fim, para se transformar num meio, que pouco tem a ver com amor ou prazer. No lugar dos afetos, instala-se o medo, a raiva, o orgulho e a vingança, sentimentos que desvirtuam a relação sexual e a instrumentalizam.

Mas porquê? Que motivos nos levam a abdicar da satisfação sexual em nome dos desígnios do ego?

DEMONSTRAÇÃO DE IMATURIDADE

Desde os primórdios da humanidade que os seres humanos recorrem ao sexo como moeda de troca, como uma forma de obter o que se deseja à custa do que se tem para oferecer. O problema é que utilizar o sexo como um meio para se atingir um fim é mais do que maquiavélico, é imaturo. E transforma o possível lucro em sério prejuízo emocional.

Recorrer ao sexo como um instrumento de manipulação denuncia falta de segurança, de autoestima e, frequentemente, medo do diálogo. Quando alguém subestima o seu valor, físico e intelectual, tende a compensar a falta de segurança com um maior investimento na performance sexual, de modo a sentir-se mais valorizado(a).

Para serem saudáveis, porém, as relações sexuais devem respeitar o que verdadeiramente queremos, pautar-se pelo desejo e estar sempre de acordo com os nossos valores. Porque quem vive o sexo de uma forma madura não recorre à chantagem. Entende-o como o culminar da cumplicidade e da intimidade, como um ato de partilha e um caminho de crescimento pessoal.

A única forma de não corromper o sexo passa, assim, por mantê-lo imune a sentimentos negativos que desvirtuem o seu verdadeiro significado.

“OLHO POR OLHO…”

Longe vão os tempos em que as mulheres tinham que se subjugar sexualmente para atingir ou justificar objetivos materiais. Este modelo de comportamento deixou de fazer sentido a partir do momento em que a emancipação financeira feminina se tornou uma realidade e, com o apetite sexual liberto, a mulher encontrou-se também livre para desfrutar do prazer sexual sem constrangimentos nem obrigações.

Ambos os géneros passaram, desta forma, a interagir sexualmente em função do desejo e dos sentimentos que os unem. Atualmente, sempre que homens e mulheres equacionam não respeitar estas duas “condições” sexuais, fazem-no em nome do bem-estar da relação ou, pelo contrário, com o objetivo de punir o companheiro por alguma atitude menos bem recebida.

Porém, quando se toma a decisão de ignorar os próprios sentimentos com o objetivo de utilizar o sexo para um determinado fim – seja enganar a solidão, terminar uma discussão ou compensar a outra pessoa – reduz-se o papel das relações sexuais ao de atos desprovidos de sentido.

Sempre que uma relação está despojada de uma boa interação emocional, os sentimentos mútuos manifestam-se dentro do sexo e em torno deste. Tanto os positivos, como os negativos. Deste modo, se, por exemplo, estiver com raiva do seu companheiro por algum motivo, o mais certo é que recorra ao sexo – ou à ausência dele – como forma de o castigar pelos seus atos.

SEXUALIDADE AUTÊNTICA

Quando fazemos do sexo uma arma, estamos a limitar qualquer forma de sexualidade autêntica. A entrega não existe, apenas intenções que bloqueiam qualquer possibilidade de se obter prazer físico e mental. Assim, deixar de instrumentalizar o sexo implica, em primeiro lugar, atuar com coerência sexual, ou seja, agir de acordo com o que os impulsos e as vontades ditam, não à mercê de um qualquer sentimento mesquinho.

Isto não acontece quando a autoestima está danificada e o amor-próprio arrasado. Se estivermos seguros de quem somos, conseguiremos impor a nossa vontade de forma natural e assertiva, sem a necessidade de recorrer a moedas de troca.

DIÁLOGO SINCERO

Para saber se está, mesmo que inconscientemente, a servir-se do sexo, faça o seguinte exercício: pergunte-se se está satisfeita com as suas relações sexuais. Caso a resposta seja negativa, tente perceber a que se deve essa sensação: se a sexualidade está a defraudá-la ou se não corresponde aos seus sentimentos; se está a ter relações por si ou pela outra pessoa.

Por último, para ultrapassar esta situação, importa estabelecer um diálogo sincero com o seu companheiro. Através dele conseguirá expressar sentimentos negativos, sem a intenção de magoar a outra pessoa, encontrar alívio para a tristeza, força para combater os medos e conforto para partilhar as alegrias.

Leia o artigo completo na edição de outubro 2020 (nº 309)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here