Viajar com crianças implica planear tudo com antecedência e encontrar estratégias para lidar com as suas necessidades, garantindo que viajam em segurança e para locais com zonas de lazer, acomodação e alimentação adequadas.

Artigo da responsabilidade da Dra. Vera Silva. Coordenadora de Pediatria na Clínica CUF Barreiro

 

As viagens internacionais podem acarretar riscos para a saúde, sobretudo para a dos mais novos, tanto pelas suas características, como do local (clima, novos agentes transmissores de doenças, altitude, entre outras). Neste caso, é importante realizar previamente uma consulta do viajante, para conselhos de saúde e, se necessário, administração de vacinas.

Ao preparar a bagagem, é fundamental incluir brinquedos e roupa adequada ao clima do destino. Deve também verificar se há necessidade de visto para entrar no país e levar a documentação necessária.

A preparação de lanches práticos e água também devem fazer parte da lista. Leve ainda uma bagagem de mão, mesmo que viaje de carro, a que consiga aceder sempre que as crianças necessitem.

DURANTE A VIAGEM

Durante a viagem, a roupa das crianças deve ser confortável, deve ter brinquedos à disposição, para as manter entretidas e, se necessário, uma almofada e uma manta.

Nas viagens de carro, certifique-se que transporta as crianças em dispositivos adequados à idade e às regras do país para onde viaja. As crianças mais pequenas terão necessidade de paragens mais frequentes para comerem e hidratarem-se.

Caso viaje de avião, recorde-se que os lugares devem ser juntos e tenha em atenção as diferenças de pressão, na descolagem e aterragem: aos lactentes, dar de mamar, biberão ou chucha.

O jet-lag pode acontecer. Corresponde a uma alteração do ritmo biológico no ciclo de 24 horas e pode provocar, entre outras coisas, cansaço, dores de cabeça, náuseas e vómitos. Para reduzir o impacto nos mais novos, é importante que descansem bem após a viagem, já que a alteração do ritmo do sono traz irritabilidade e pode prolongar-se ao longo dos dias.

SEGURO DE SAÚDE

Seja qual for o destino, é fundamental ter um seguro para cobrir as despesas médicas da família, ter noção dos cuidados de saúde e saber os contactos de emergência.

Deve ainda garantir que o local de eleição dispõe de restaurantes com refeições adequadas à idade e gostos das crianças. Com lactentes, a melhor opção é ficar alojado num local com meios básicos para poder confecionar refeições.

Leia o artigo completo na edição de julho/agosto 2024 (nº 351)