Ter uma barriga lisinha e tonificada é uma das principais preocupações dos meus alunos. “O que posso fazer para perder gordura abdominal?”; “como perder a barriga e os pneus laterais?”; “qual é o melhor exercício para o abdominal?”, “quais os exercícios que dão resultados mais rápidos?”. Estes são exemplos das questões que mais me fazem sobre este tema. Se também tem estas dúvidas, este artigo é para si.

Artigo da responsabilidade da Profª Ana Ricardo. Mestre em Exercício e Saúde FMH. Personal Trainer e Group Trainer do Holmes Place Tejo

 

 

Algumas pessoas têm mais células de gordura localizadas em determinadas zonas e, por isso, tendem a engordar com maior facilidade nessas zonas. A gordura acumula-se maioritariamente em duas partes do corpo: na barriga e nas ancas. Nos homens e nas mulheres, estas são sempre as zonas mais problemáticas e que geram mais complexos. No entanto, os homens possuem mais células de gordura na região abdominal, enquanto as mulheres têm, geralmente, mais células adiposas na região das coxas e glúteos.

A gordura abdominal pode ser de dois tipos: subcutânea ou visceral. A gordura subcutânea, o chamado “pneu”, localiza-se entre a pele e o músculo, e é mole. A gordura visceral localiza-se dentro da cavidade abdominal, junto às vísceras, originando uma barriga dura.

QUAIS AS CAUSAS?

A genética é o principal fator para a acumulação de gordura na região abdominal. No entanto, existem outros que contribuem para o seu aparecimento. Como o consumo de calorias em excesso e a ausência de exercício físico. O volume abdominal também pode resultar de inchaço, por comer depressa demais, stress ou intolerância alimentar, entre outras razões.

Além da questão estética, é importante mencionar que a acumulação de gordura abdominal é reconhecidamente maléfica para a saúde, por estar associada o aumento do risco cardiovascular, com a síndrome metabólica, hipertensão e diabetes tipo 2.

NÃO HÁ MILAGRES

Não existem exercícios específicos para perder gordura na barriga: assim como não escolhemos onde a gordura se acumula, não perdemos gordura de forma localizada.

O truque é fazermos tal como para as outras regiões do corpo: exercício físico + controlo das calorias ingeridas. Para perder massa gorda, ou seja, gordura corporal, devemos aumentar o dispêndio calórico com exercício físico e diminuir a ingestão calórica através da dieta, provocando um balanço energético negativo e obrigando o corpo a usar as suas reservas de energia, normalmente a gordura.

Se ao longo de vários dias consumir mais calorias do que consegue gastar, irá engordar. Por outro lado, se gastar mais calorias do que as que ingere, inevitavelmente, irá emagrecer. É simples!

A nível de exercício, o ideal será a junção de exercícios cardiovasculares com a musculação, para obter os melhores resultados. Por outro lado, quantos mais e maiores forem os grupos musculares que um treino ou exercício envolve, mais calorias se queimam. Assim, faz sentido incluir no treino movimentos onde as pernas participem, como, por exemplo, corrida, remo, burpees, salto à corda e exercícios combinados com agachamentos e lunges.

OS ABDOMINAIS AJUDAM OU NÃO?

Os exercícios abdominais ajudam a fortalecer e tonificar os músculos localizados na região do abdominal, contribuindo para a estabilização do tronco, melhoria da postura e alívio das dores de costas. Aliados a uma dieta saudável ajudam na definição da cintura.

Assim:

  • Privilegie os grandes grupos musculares (pernas, costas, etc). Integre estes exercícios num plano de treino metabólico, para garantir um bom dispêndio energético;
  • Alimentação: sem truques! Não existem receitas ou dietas milagrosas, nem alimentos mágicos. Se quer perder barriga, tem de ter uma alimentação cuidada. Reduza a ingestão de açúcares e de hidratos de carbono e controle as doses por refeição. Evite os excessos. Não esqueça a hidratação. Procure ajuda profissional (nutricionista);
  • Sono: é essencial para a regeneração muscular e ajuda a restaurar certas hormonas que interferem no metabolismo e ajudam a perder peso. Principalmente quando aliado a um estilo de vida saudável. O recomendado é dormir 7 a 9 horas por noite.

Leia o artigo completo na edição de junho 2024 (nº 350)