Colesterol e triglicéridos em alta

0

O excesso de colesterol ou de outras gorduras no sangue, como os triglicéridos, não se vê nem se sente, até surgirem as doenças causadas pela aterosclerose, com graves consequências, principalmente, a nível do cérebro e do coração.

 

 

O excesso de colesterol ou de outras gorduras no sangue, como os triglicéridos, persiste sem provocar sintomas ou sinais, durante muitos anos, até que surjam as doenças causadas por aterosclerose, com graves consequências a nível do cérebro – acidente vascular cerebral, trombose ou hemorragia cerebral; do coração – angina de peito, enfarte do miocárdio, morte súbita; dos rins – insuficiência renal ou hipertensão secundária; do pénis – disfunção erétil; ou dos membros inferiores – claudicação intermitente ou gangrena.

Por isso, as pessoas devem procurar conhecer os seus valores de lípidos plasmáticos – colesterol e triglicéridos. Se os valores forem superiores aos desejáveis, é necessário determinar, em jejum, as frações do colesterol e os triglicéridos. Caso contrário, basta repetir a análise 3 a 4 anos mais tarde, em idades inferiores aos 45 anos, ou mais frequentemente, em idades superiores.

Diagnóstico das dislipidemias

Aos níveis elevados de lípidos plasmáticos, acompanhados ou não de valores baixos de colesterol HDL (colesterol “bom”), dá-se o nome de dislipidemia.

As dislipidemias primárias, ou seja, aquelas não provocados por alterações metabólicas, são consequência de alterações genéticas. A hipercolesterolemia familiar é uma das mais frequentes, com um risco cardiovascular elevado, em idades jovens, requerendo uma vigilância médica especializada.

As dislipidemias secundárias são provocadas por várias doenças, condições e estilos de vida, que interagem com a maior ou menor predisposição genética de cada indivíduo e são as mais frequentes. A mais comum em Portugal é a hipertrigliceridemia, muitas vezes associada à obesidade, hipertensão arterial, tolerância à glicose diminuída, hiperuricemia – gota – e colesterol HDL diminuído.

As causas mais comuns das dislipidemias secundárias são: excesso de gorduras saturadas e colesterol, alcoolismo, obesidade, sedentarismo, tabagismo, diabetes,  hipotiroidismo, doenças renais, doenças do fígado, doença do pâncreas e efeitos secundários de alguns medicamentos.

Leia o artigo completo na edição de novembro 2016 (nº 266)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA